07 abril 2006

Direito de não gostar

Em 1996, acompanhei o FC Porto a Itália, onde defrontava o Milan. No S. Siro, fui com um amigo ao bar por cima da bancada e pedimos cerveja. O barman perguntou se éramos portugueses e, perante a resposta, fez uma cara desconsolada, dizendo que não tinha cerveja de qualidade. Vendo o nosso espanto, explicou: "É que vocês têm a melhor cerveja do mundo, a Superbock". Serviu-nos "o que havia", acrescentou que era visitante frequente de Portugal e, quando nos despedimos, disse-nos (mais coisa menos coisa): "O Porto vai ganhar e eu vou torcer por isso". Olhámos, desconfiados. Ele riu-se... "Eu sou do Inter e quero que esses (nem se dignou dizer o nome do inimigo) percam sempre. Forza Porto".

Foi em Milão, poderia ser em Roma, em Londres, Madrid, Glasgow... Sempre que temos conhecimento destas histórias, sorrimos e achamos normal. Quando se trata de Portugal, não. Se o jogo é contra um clube estrangeiro, os benfiquistas devem apoiar o FC Porto e vice-versa. Não só é treta como contranatura. O direito de não gostar deve ser respeitado... Um portista não deixa de querer que o Benfica perca só por causa do nome do adversário. Quer que perca SEMPRE! E vice-versa. Isto é que é natural.

1 comentário:

Mary disse...

Um portista que se preza, um portista de alma e coração, um portista a 100% torce sempre para que o adversário do Benfica ganhe!! Seja ele quem for!

Eu torço (para que o Benfica perca sempre e bem!) e você?