28 dezembro 2006

Culpados!

Quando do assassinato de Gisberta, no Porto, a blogosfera serviu não só de espaço para debate como para abanar com algumas mentalidades que cheiram a mofo. O caso desta criança - "Suspeitas de maus-tratos em morte de menina", JN - merece tratamento idêntico. Para além da culpabilidade dos pais, há instituições cuja actuação tem que ser colocada em causa. Cada informação adicional que surge é mais uma prova de que alguém foi tão incompetente que chega a ser criminoso. E tem que pagar por isso!

Pormenores

" Relatório da Comissão Europeia diz que somos um exemplo a NÃO seguir"

Uma palavra apenas, de três letras, faz toda a diferença.

Opiniões

Li e reli no "O Parcial" esta defesa violenta à decisão de Rui Rio de "dar" o Rivoli ao La Féria. Comentei e, depois, achei que deveria fazer copy e past para aqui. Eis:


"A coragem de Rio merece de facto realce.
Senão, vejamos:
- Desde que ele chegou à Câmara, fecharam quase todos os grupos de teatro que havia na cidade, sobrevivendo o Seiva Trupe, e por fases
- O FITEI, que era um dos mais importantes eventos de teatro da Península, MORREU
- O Fantasporto, festival de cinema conhecido por todo no mundo cinéfilo, está moribundo.
- Acabámos de passar toda a época natalícia e de mudança de ano sem UMA ÚNICA iniciativa cultural da responsabilidade (ou apoiada) pela autarquia.

É, de facto, preciso ter muita coragem para assassinar de forma tão eficaz a cultura na cidade.
E quanto ao Rivoli, Pedro, guarde este escrito e, da próxima vez que a Câmara apresentar contas, vai procurar com atenção que é possível que se surpreenda com os gastos da Câmara com o La Féria (perdão, com o Rivoli). Estarei cá para ver (espero)."

E depois:
" Regresso para repor a justiça.
Afinal a coragem de Rio deu para um outro evento espectacular no Porto: o Grande Prémio de Fórmula para Carros Antigos (também conhecido por Grande Prémio dos Calhambeques). Foi há dois anos e custou, contas oficiais, um milhão de contos. Pelo orçamento deste ano, não daria para mais do que quatro anos de gestão do Rivoli...
Obviamente, é preciso ser "corajoso "para gastar um milhão de contos num evento de interesse mundial (acredito que alguém para lá da Boavista se interesse pelo facto, como provaram os poucos espectadores - para além dos jornalistas - que assistiram à primeira edição) que enche o ego do presidente em vez de nomear uma administração verdadeiramente competente para gerir um espaço que deveria ser da cidade. Não, mais fácil é entregar amigo La Féria que, certamente, dentro de algum tempo dirá, como qualquer romano que acompanhava César, "veni, vidi, vici". Ave César!
Já agora, a segunda edição do Grande Prémio já está anunciada... Enfim!"

Tenho dito

26 dezembro 2006

O desporto na objectiva

Então, não?!

Estes americanos são loucos

Os Stella Awards são prémios atribuídos anualmente aos casos mais bizarros de processos judiciais nos Estados Unidos. Têm este nome em homenagem a Stella Liebeck, que derramou café quente no colo e processou, com sucesso, a McDonald's, recebendo quase 3 milhões de dólares de indemnização...
Desde então, os Stella Awards existem como instituição independente, publicando e "premiando" os casos de maior abuso do sistema judicial norte-americano.


O vencedor do ano foi o Merv Grazinski, de Oklahoma.
Grazinski tinha acabado de comprar um Chrysler Motorhome Winnebago automático e regressava sozinho de um jogo de futebol americano. Na estrada, activou o "cruise control" para 100 km/h, abandonou o banco do motorista e foi para a traseira do veículo preparar um café. O veículo despistou-se, bateu e capotou. Grazinski processou a Chrysler por não explicar no manual que o "cruise control" não permitia que o motorista abandonasse o volante.
O júri concedeu-lhe a indemnização de 1.750.000 dólares, mais um Chrysler novo do mesmo modelo. A construtora mudou todos os manuais de proprietário a partir deste processo, para se acautelar contra qualquer outro atrasado mental que comprasse um Chrysler.

20 dezembro 2006

Seca



Alguém disse que as obras à saída da Ponte de Arrábida, para Gaia, estariam prontas antes do Natal. Mentira! Vou ouvir Tom Waits. "The piano was been drinking, not me"

13 dezembro 2006

"Margaridas da noite"

O jornal "O Século", aí pelos anos 60, tinha, como todos os outros, regras específicas para evitar a utilização de algumas palavras. Obviamente, a palavra "puta" estava fora de questão, mas também "prostituta". A referência às (então como agora chamadas) senhoras da vida dever-se-ia fazer como "meretrizes"; ou, no correr da pena, no meio de um texto, para evitar repetições, poder-se-ia utilizar a expressão "margaridas da noite". Nos dias que correm, é mais que certo que "margarida" mudaria de nome...

(...)
(O parágrafo que aqui estava deixou de estar porque a opinião dos meus amigos conta. Só conta!)

11 dezembro 2006

O último canto (incompleto)

O deeradeiro poema de Victor Jara, que ficou por acabar e por cantar:

"Que gritem esta ignominia! Somos menos dez mil mãos a produzir.
Quantos somos em toda a pátria?
O sangue do companheiro presidente golpeia mais forte do que bombas e metralhadoras.
Assim golpeará nosso punho novamente.
Canto, que o mal me sai quando tenho que cantar espanto!
Espanto como que vivo como que morro, espanto.
De ver-me entre tantos e tantos momentos de infinito em que o silêncio e o grito são as metas deste canto.
O que vejo nunca vi e o que senti e o que sinto a brotar no momento...
"

Pinochet morreu

Uma forma infalível de fugir à justiça!

09 dezembro 2006

Carol... ina

Mais do que ler o livro da Carolina, diverti-me a ler as reacções aos excertos publicados e às entrevistas que a senhora deu na TV (TODOS os canais) antes de encerrar o falatório, anunciando que agora só vendia os livros. Os inteligentes, obviamente, centraram a atenção na agressão a Bexiga. Os outros… pela enésima vez, redescobriram a razão porque o Benfica não ganha campeonatos. Não, não é porque o clube foi anos a fio mal gerido; não, não é porque a política de contratações é errada; não, não é porque as estruturas de apoio, épocas a fio, eram formadas por pessoas que se serviam do clube e não que serviam o clube. Não! A razão única da desgraça benfiquista está no facto de Pinto da Costa comprar árbitros…

O povo diz que mais cego do que o não vê é aquele que não quer ver. Digo mais: se é verdade que ao tempo do “consolado” da Carolina, que coincide com as épocas 2002/03 e 2003/04, o presidente do FC Porto “viu-se obrigado” a comprar árbitros para ganhar, então alguém mais andava no “mercado”. Recorde-se a diferença da qualidade do futebol então praticado pela equipa de Mourinho (que venceu a Taça UEFA e a Liga dos Campeões) e os outros em Portugal. Em situação normal, ninguém acreditaria que o FC Porto precisaria de comprar favores; quando muito, ver-se-ia obrigado a garantir a neutralidade. Sendo assim, onde estão os outros?

Flatulência

Carolina Salgado escreveu um livro que monopolizou as atenções durante todo o dia de ontem. É normal, tratando-se, sobretudo, de um acto voyeurismo, porque no mais a novidade terá a ver com a agressão de que Bexiga, adversário de Valentim nas últimas autárquicas, em Gondomar, foi alvo. Diz a senhora que foi a mandatária da carga de porrada, a mando de Pinto da Costa – fantástica a descrição de uma eventual conversa com Lourenço Pinto, que punha em causa o serviço feito porque... o homem ficou a falar. A ser verdade, e comprovada, ambos (a dita senhora e o seu "ex") podem ficar em maus lençóis.
A parte melhor é a história da flatulência de Pinto da Costa. Não é que a senhora, como prova de amor inequívoco, cada vez que o senhor se descaía, rapava de um cigarro para disfarçar o cheiro. O que terão sofrido aqueles pulmões.

07 dezembro 2006

Chuva, simplesmente

Danificando

82 anos









Mário Soares faz anos hoje.
Já a minha avó dizia: "Coisa ruim não tem desvio"...

Olhares

"Portugal faz parte dos países onde há menos registos de subornos, sendo que as situações que alegadamente ocorrem afectam sobretudo a vida política, de acordo com o barómetro global da corrupção em 2006, divulgado esta quinta-feira em Bruxelas pela organização não-governamental Transparency International (TI), sedeada em Berlim, dedicada ao combate à corrupção a nível mundial"

O que não se vê não existe... É a única explicação para a conclusão acima descrita como estudo! Corrupção em Portugal, que gargalhada...

Clássicos
















Volkswagen Karmann Ghia Cabriolet 1957