09 fevereiro 2007

Era para isto, D. Laura?







"Grupo Amorim exige quase três milhões à Associação de Comerciantes do Porto e aponta “graves violações” do protocolo que viabilizou o polémico Plano de Pormenor das Antas. Verbas para revitalizar comércio tradicional até serviram para pagar multas de trânsito

A empresa Aplicação Urbana II, Investimento Imobiliário SA, acusa a “Comércio Vivo” de nunca ter fornecido elementos que permitissem controlar o destino das verbas e refere mesmo que aquela utilizou parte dessa quantia em “despesas corriqueiras” de funcionamento da instituição, como combustível, limpeza, imposto de circulação e até com uma capa volante, bem como com o pagamento de uma multa de trânsito à PSP.

Mais. Na acção que intentou nas Varas Cíveis do Porto, no início deste ano, a Amorim refere que a Associação levantou 2 milhões 520 mil euros (garantia bancária sobre o BPI), em 29 de Dezembro de 2005, alegadamente para aquisição de dois prédios degradados no Porto e que “até ao presente não comprou os prédios referidos”."

07 fevereiro 2007

06 fevereiro 2007

Palavras perdidas

Sendo assim…
"A procuradora-geral adjunta Maria José Morgado solicitou, através da Procuradoria-Geral da República (PGR), automóveis para toda a equipa de investigação dos processos do ‘Apito Dourado’. Os carros que já foram atribuídos são Mercedes e BMW Série 5, portanto, topo de gama, apreendidos pelas autoridades, apurou o Correio Sport"

Não precisava de dizer que é assim…
"A procuradora Maria José Morgado define a equipa que a acompanha como “pequena, frugal, austera e muito exigente”. Por isso, assegura, apenas dispõe de três carros para se deslocar às 33 comarcas para onde foram parar inquéritos relacionados com o processo Apito dourado"


A justiça dispensa estas incoerências

02 fevereiro 2007

Transparente

La Féria garante sem apresentar documentos

Translúcido

Até ao momento, La Féria não enviou para câmara do Porto nenhum documento que garanta os apoios recolhidos junto de bancos e empresas do norte

Claríssimo

A proposta apresentada por Filipe La Féria para a exploração do Teatro Municipal Rivoli, no Porto, não inclui qualquer documento comprovativo da disponibilidade de entidades bancárias, tais como a Caixa Geral de Depósitos e o Millennium BCP, para apoiar o projecto, tal como foi assegurado pelo produtor na sua proposta escrita

Omo (branco mais branco não há)

Contactados pelo Expresso, quer o BCP, quer a Caixa Geral de Depósitos não confirmam as alegadas disponibilidades para apoiar o projecto de La Féria, explicando que o sigilo bancário não lhes permite tecer comentários sobre negócios com os seus clientes

Os factos (de facto)

Em contrapartida, as restantes candidaturas, nomeadamente a da Plateia – Associação de Profissionais de Artes Cénicas, apresentava documentos que davam garantias de todos os apoios com que contava, além de preencher os 22 requisitos exigidos pela autarquia. A candidatura de La Féria é omissa em pelo menos oito dessas exigências

Fonte: Expresso

Isto é que é ter coragem!